segunda-feira, 27 de novembro de 2017

A CONSTANTE PARCIALIDADE INSTRUMENTALIZADA




Vejo com interesse os constantes artigos de opinião, comentários, avaliações e dissertações sobre a questão dos professores, e da sua reivindicação para que os anos em que as suas carreiras estiveram congeladas sejam contabilizados. Refere-se, por exemplo, no Expresso de hoje que: 

"Se efectivamente o Governo aceitar que o tempo em que as carreiras dos professores estiveram congeladas, entre 2010 e 2017, conte para efeitos de progressão, então o esforço financeiro será de €650 milhões; e se isto for aceite todos os outros funcionários públicos exigirão o mesmo, o que custará mais €440 milhões ao Orçamento do Estado". 

Tudo certo, tudo válido, penso que é de aceitação geral que o estado que temos é demasiado pesado e ineficiente para o que nele se gasta. É de todo incomportável pedir esse esforço ao nosso país. E nem vou sequer entrar pelas diferenças que existem entre quem trabalha no Estado e no Privado. 

A minha única questão é: Porque é que um valor de 1090 milhões de euros é tão chocante e aviltante, mas já se aceita de forma tácita e com alguns resmungos entre dentes que o Estado, entre 2007 e 2015 tenha pago 13 mil milhões de euros para salvar bancos... privados? Diz um artigo no DN, aqui: 

"Desde 2007 a ajuda pública ao setor financeiro equivale a 7,3% do PIB e a um ano de receito do IVA". 

E assim e vê como a informação parcial, controlada para passar uma posição altamente polarizada, leva a uma atitude reactiva de todos nós, "malditos funcionários públicos", e nos faz esquecer quem de facto esteve no epicentro de tudo o que nos tem acontecido... 

(Fico a aguardar mais uma qualquer explicação fundamentada e altamente conhecedora, de como toda a nossa economia, indústria, país, e o próprio tecido da realidade de desintegraria se não salvássemos os bancos da sua própria especulação irresponsável... quando não criminosa...)




"INFUTEBULAR"

Num momento em que há fins de semana consecutivos os canais televisivos de informação gastam horas seguidas a louvar a "conquista&qu...